05/03/09

Pauta da 9ª Reunião do Movimento Artístico livre

Pauta da 9ª Reunião do Movimento Artístico Livre, realizada dia 04 de março de 2009

1- Contexto atual da Cultura e da Gestão Municipal

a) entrega de projetos na Secretaria de Cultura;

b) conclusão do M.A.L. sobre a postura da Gestão Municipal;

c) relação da Secretaria de Cultura com outras entidades (Grupos de Cultura Popular, M.A.L., COMUC, entre outros).

2- Postura do M.A.L. com relação ao comportamento da Secretaria de Cultura;

a) mesas temática;

b) mostra de artes.

3- Pendências das reuniões anteriores

a) Info sobre ONG - Amábile Luz;

b) Novo documento público do M.A.L. - Manoel Mesquita;

c) Mesa temática - Priscila Nicoliche e Manoel Mesquita;

d) Projeto de captação para edital - Mateus Sartori e Manoel Mesquita.

23/02/09

ATA DA 8ª REUNIÃO MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE

ATA DA 8ª REUNIÃO MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE
Mogi das Cruzes, 15 de fevereiro de 2009


As 17hs, os integrantes do Movimento Artístico Livre iniciaram a reunião esclarecendo a linha de pensamento do M.A.L..
A diretora de teatro Jamile Miguel, presente pela primeira vez na reunião, questionou a cobrança dos 10% da bilheteria destinada ao FUMUC (Fundo Municipal de Cultura), e sugeriu uma nova discussão sobre essa cobrança que ficou como pauta para a próxima reunião do Movimento, também ficou como sugestão de pauta, a importância da inclusão e publicação de critérios para seleção de projetos, seja para secretarias de cultura ou educação.
Após esclarecimentos, a ata da reunião de número 7 foi lida, assinada e será finalizada pelo Sr. Manoel Mesquita Junior, incluindo pontos citados na reunião com o Sr. Secretário, deverão ser incluídos nesta ATA, assuntos que foram discutidos como: Lei 5266/2001 que beneficia empresas que se instalaram no município e iniciativas de aproximação da Secretaria de Cultura com empresários, Ciesp, Fiesp, propostas pelo M.A.L. na reunião do dia 10 de fevereiro na Secretaria de Cultura.
Ficou decidido em reunião, a elaboração de um Documento Público, apresentando resultados alcançados pelo Movimento e relatório da reunião com o Sr. Secretário de Cultura. Este documento será enviado à imprensa local pelo Sr. Marcio Cardoso.
Outro ponto acertado na reunião, é a estratégia de aproximação de grupos, associações, entidades etc, visando a união de força política e representatividade em número de participantes.
A Sr. Priscila Nicoliche, colocou que, em reunião com a APAC (Associação Paulista de Artes Cênicas), os grupos de teatro participantes se mostraram simpáticos às idéias do Movimento Artístico Livre.
Como discutido logo após a reunião com o secretário com representantes do M.A.L., foi decidido que Priscila e Manoel vão iniciar o desenho e planejamento da primeira Mesa Temática do Movimento sobre Política Cultural e assuntos correlatos, visando fomentar o debate sobre a gestão cultural e fortalecer o Movimento.
Seguindo a pauta da reunião, foi discutido a possibilidade do Movimento virar uma ONG, onde a Sra Amabile Luz se comprometeu em pesquisar quais seriam as documentações necessárias, além de pesquisa para apresentação de projeto para edital de Pontos de Cultura.
A agenda de reuniões ordinárias foi fechada em comum acordo da seguinte forma: 1ª segunda feira do mês as 19:30hs e o 3° domingo do mês as 16hs.
Ficou decidido entre os participantes da Reunião, definições de algumas ações e seus respectivos responsáveis:
- DOCUMENTO PÚBLICO – Documento Público a ser elaborado pelo Sr. Manoel Mesquita e aprovado pelo Movimento;
- ENVIO DE DOCUMENTO PARA IMPRENSA – Após Documento Público fechado e aprovado pelo MAL, o Sr. Marcio Cardoso fará o contato com os meios de comunicação;
- PROJETO DE CAPTAÇÃO PARA FUMUC – Sr. Mateus Sartori e Sr. Manoel Mesquita Jr., ficaram responsáveis pela montagem de projeto para captação de recursos para FUMUC;
- EDITAL PONTO DE CULTURA E DOCUMENTAÇÃO PARA ONG – Sra. Amabile Luz ficou responsável em pesquisar requisitos e documentações;
- LISTAGEM DAS ENTIDAS, ASSOCIAÇÕES, ETC – Sr. Manoel Mesquita Junior ficou responsável em fazer a listagem das entidades, grupos, associações para que futuramente, através de ações ou convites, o MAL amplie seu número de participantes e força política;
- MESA TEMÁTICA – Sr. Priscila Nicoliche ficou responsável pela apresentação de proposta para criação de Mesa Temática, visando também, aproximação dos artistas e fortalecimento do MAL.
Esclarecidos os pontos básicos, deu-se por encerrado a reunião, a qual, Mateus Sartori atesta e assina.

ATA DA 7ª REUNIÃO - M.A.L e Secretário de Cultura Sr. José Luiz Freire

ATA DA 7ª REUNIÃO - Mogi das Cruzes, 10 de fevereiro de 2009

Às 10h do dia 10 de fevereiro de 2009, os representantes do Movimento Artístico Livre, Sr. Marcio Cardoso, Sr. Mateus Sartori, Sr. Manoel Mesquita Jr e Srta. Priscila Nicoliche, se reuniram com o Secretário de Cultura da cidade de Mogi das Cruzes, Sr. José Luiz Freire de Almeida.
Os representantes do Movimento Artístico Livre, fizeram a abertura apresentando a pauta da reunião e ressaltando pontos positivos da atual administração, entre eles: diálogo aberto com a comunidade, dando a possibilidade de colaboração na criação de uma política cultural participativa; a abertura dos editais para o Programa “Cultura de Canto a Canto” e a estrutura da atual secretaria, que prevê coordenadores para os segmentos artísticos.
A primeira questão colocada ao Sr. Secretário foi, quais seriam os critérios de análise e aprovação dos projetos apresentados à Secretaria. O Sr. Secretário esclareceu que os critérios existem, porém não foram publicados e comunicados aos artistas devido ao tempo corrido e à fase de adaptação inicial. Disse, porém, que todos os projetos seriam analisados por uma equipe de coordenadores da Secretaria.
Logo após os esclarecimentos, foi entregue ao Sr. Secretário um documento escrito pelo Movimento Artístico Livre, que sugere critérios claros para análise de projetos dentro do regulamento do Programa “Cultura de Canto a Canto”, lançado pela Secretaria de Cultura.
Nesse mesmo documento, foram apresentadas sugestões para a criação de mais três programas, entre eles:
- “Projetos Especiais”, destinados aos artistas que não se enquadram no Programa “Cultura de Canto a Canto”;
- “Espaços Parceiros”, que visa a parceria de proprietários de espaços físicos alternativos para a descentralização cultural;
- “Parceiros da Cultura”, que contempla a parceria entre poder público e associações, artistas, produtores etc, visando a discussão artística no município.
Foi colocada para o Sr. Secretário a questão das cortesias para as apresentações com bilheteria no Theatro Vasquez e CIARTE e o Movimento Artístico Livre sugeriu a limitação de 10% da lotação dos espaços para convites cortesias. O Secretário disse que vai propor a inserção dessa sugestão na revisão do decreto sobre uso de espaços públicos.
O Secretário, dando continuidade à reunião, deu informações aos integrantes do Movimento Artístico Livre sobre o Fundo de Municipal de Cultura. Segundo ele, em proposta a ser apresentada ao Prefeito Bertaiolli, haverá a retenção de 10% em todas as apresentações com bilheteria no Theatro Vasquez e no Ciarte. O valor relativo a essa retenção será destinado ao Fundo Municipal de Cultura. O COMUC (Conselho Municipal de Cultura), segundo lei que regulamenta o Fundo, fará a gestão desse recurso, abrindo editais para projetos de artistas mogianos.
O Movimento Artístico Livre questionou se haveria possibilidade dos artistas apresentarem seus projetos que não se enquadravam no regulamento do Programa “Cultura de Canto a Canto”. O Secretário esclareceu que os “Projetos Especiais” descritos nos regulamentos, lançados pela Secretaria de Cultura são basicamente: Os Canarinhos do Itapeti, Banda Boigi, Orquestra Jovem e outros. Disse também que haverá os “Projetos Diferenciados”, que serão os projetos apresentados pelos artistas, cujos valores e estrutura não se enquadrem no programa existente. Segundo o Secretário, estes projetos serão avaliados por uma comissão criada pela Secretaria.
Ficou esclarecido também que as escolas de música podem sim, apresentar recitais nos espaços destinados à música, com ou sem bilheteria.
Foi sugerido ao Sr. Secretário pelos representantes do Movimento Artístico Livre, que em apresentações de espetáculos sem bilheteria, os ingressos fossem retirados duas horas antes das apresentações, na portaria do evento.

Esclarecidos os pontos básicos, deu-se por encerrada a reunião, para a qual, eu Marcio Cardoso, nesta ocasião, lavro essa ata e assino.

17/02/09

DESDOBRAMENTOS DE AÇÕES PRÓ-CULTURA

22 de Janeiro de 2009

Lista de Desdobramento de Ações Pró-Cultura

Caro Senhor Secretário Municipal de Cultura Sr. José Luiz Freire.

Em coerência com a Carta Aberta entregue a Vossa Senhoria em 08 de Janeiro de 2009, e sempre no sentido de colaborar com a criação de padrões mínimos de apoio aos artistas mogianos, o MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE sugere algumas ações iniciais a serem implementadas pela Secretaria de Cultura.

Reiteramos que, como movimento de proposição e formado por artistas representantes de vários segmentos, nosso objetivo é continuar o diálogo público aberto com essa secretaria.

As ações citadas abaixo desdobram as 04 (quatro) ações iniciais propostas em nossa primeira Carta Aberta.

1 – Organograma da Secretaria e capacitação técnica.
Definição do corpo técnico da Secretaria Municipal de Cultura, responsável para cada segmento artístico;
Definição da linha de atuação da Secretaria Municipal de Cultura. Por exemplo: resgate da identidade cultural, valorização e circulação de obras artísticas mogianas, descentralização cultural, entre outros;
Definição e divulgação de critérios gerais e específicos para aprovação de projetos. Estes critérios, preferencialmente, devem ser definidos ouvindo-se os segmentos artísticos;
Realização de reuniões periódicas entre o responsável pelos segmentos e os grupos de artistas para colaboração e acompanhamento das ações desenvolvidas pela Secretaria de Cultura.
Capacitação e/ou reciclagem técnica de funcionários responsáveis por funções de apoio às apresentações e/ou preparação de exposições de obras artísticas.

2 – Formação de Produtores Culturais.
Mapeamento geral de todos os artistas e produtores culturais;
Desenvolvimento de um programa anual de formação focado em produção cultural, contemplando desenvolvimento de projetos culturais, divulgação da obra (show, exposição, espetáculo, filme etc), recepção e acomodação do público, captação de recursos financeiros, entre outros;
Criação de estrutura de apoio para artistas no desenvolvimento de projetos culturais.

3 – Criação de Leis de Fomento e Incentivo à Cultura de Mogi das Cruzes.
Discussão e Aprovação da Lei de Incentivo à Cultura a partir da continuação de um debate público com artistas e sociedade civil.

4 – Estrutura de apoio às apresentações e/ou exposições.
Definição de todos os espaços adequados a apresentações e/ou exposições na cidade;
Realização de diagnóstico preliminar das deficiências estruturais e técnicas de cada espaço de apresentação e/ou exposição;
Execução de parcerias com espaços culturais privados, consolidados na cidade;
Desenvolvimento de uma agenda cultural para Mogi das Cruzes.

Ficamos completamente à disposição para maiores esclarecimentos.

Atenciosamente,

MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE

CARTA ABERTA SOBRE A CULTURA DE MOGI DAS CRUZES

Janeiro de 2009

Carta Aberta Sobre a Cultura de Mogi das Cruzes

Caro Senhor Secretário Municipal de Cultura Sr. José Luiz Freire.

Aproveitando o momento de transição pelo qual passa a gestão municipal de cultura (voltando a ser parte de uma Secretaria de Governo e não mais uma coordenadoria), um grupo de artistas e pensadores se reuniu para a criação de um movimento de proposição, denominado MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE.

Nosso objetivo é abrir uma frente de diálogo com o poder público e contribuir efetivamente para que nossa cidade desenvolva uma estrutura sustentável de apoio à produção cultural e artística, visando a criação de uma Política Cultural ampla, forte e democrática que tenha sustentabilidade em todas as áreas artístico-culturais.

Assim, elegemos e sugerimos quatro pontos que julgamos ser fundamentais para a classe artística da cidade:

1 – Organograma da Secretaria e capacitação técnica.
Sugerimos que haja, na Secretaria de Cultura, funcionários que tenham conhecimento artístico para dialogar com os artistas usando a mesma linguagem. Por exemplo, para as questões de música, seria adequado haver um coordenador com conhecimento de produção musical para atender e/ou orientar os músicos nos eventos de música. O mesmo seria seguido para artes plásticas, teatro, literatura, patrimônio histórico, cultura popular, cinema, “hip hop” e cultura de rua, entre outros.
Deste modo, através dos coordenadores de área, os eventos culturais serão multiplicados e a produção, otimizada.
Da mesma maneira é necessária a capacitação de funcionários que tenham funções de apoio às apresentações artísticas nos espaços municipais, como, por exemplo, iluminadores, técnicos de som etc.
Essa organização, com funcionários técnicos, acontece com sucesso, por exemplo, na cidade de São Paulo.

2 – Formação de Produtores Culturais.
Sugerimos que sejam realizados: um mapeamento real de artistas e grupos artísticos da cidade e um ciclo de formação com foco em produção prática para todos os interessados.
Hoje percebemos que há vários artistas em atividade na cidade. Porém, poucos conseguem produzir e veicular suas obras para a sociedade de maneira eficiente e adequada. Muitas vezes, tarefas importantes como divulgação da obra (show, exposição, espetáculo, filme etc), recepção e acomodação do público, captação de recursos financeiros, entre outras, não são efetivamente realizadas. Isso dá um caráter improvisado às obras e aos eventos.

3 – Criação de Leis de Fomento e Incentivo à Cultura de Mogi das Cruzes.
A aprovação de leis municipais de fomento e incentivo,que representam uma das discussões mais atuais no cenário artístico nacional, significando a independência e o acesso a recursos para realizar pesquisas e produzir obras de referência que colocarão a cidade de Mogi das Cruzes não apenas como importante do ponto de vista histórico e patrimonial mas também como celeiro de produções artísticas contemporâneas.

4 – Estrutura de apoio às apresentações/exposições.
Sugerimos um mapeamento dos espaços municipais de apresentação/exposição existentes na cidade, visando suprir as deficiências existentes para que possam ser utilizados com eficiência. Dessa maneira, devem ser identificados necessidades de manutenção nos espaços e equipamentos existentes (estrutura predial, som, luz, entre outros).
Também importante é o desenvolvimento de uma estratégia de comunicação por parte da Secretaria Municipal de Cultura para informar à população sobre todos os eventos artísticos e culturais que estejam acontecendo em Mogi das Cruzes. Um exemplo desse item é a confecção e manutenção de uma Agenda Cultural a ser publicada na Internet e impressa e distribuída gratuitamente em locais de grande circulação da cidade.

É importante observar que estes quatro pontos se relacionam entre si e a partir deles será possível criar uma estrutura para que Mogi das Cruzes tenha uma produção artística e cultural múltipla e de qualidade reconhecida.


O Movimento Artístico Livre é um movimento independente que, através deste documento, espera sinceramente dar início a um diálogo franco e aberto entre o poder público e a sociedade.

Agradecemos a acolhida de nossas idéias e aguardamos a continuidade desse diálogo.

Participaram da reunião que originou este documento: Manoel Mesquita Jr. (teatro), Priscila Nicoliche (teatro), Meyson (cultura popular), Gui Cardoso (música), Rogério Moura (teatro), Paulo Pinhal (arquiteto e curador cultural), Rodolfo Médici (teatro), Mario Sérgio (historiador), Fernades Jr. (teatro), Tuany Vieira (teatro), Marcio Cardoso (produtor musical), Cleyton Pereira (teatro), Mateus Sartori (música e produtor cultural), Cristiane Pereira (teatro) e Jam (artes plásticas).

SUGESTÕES DO MOVIMENTO ARTÍSTICO LIVRE

Documento entregue pelo Movimento Artístico Livre no dia 10 de Fevereiro de 2009 ao Sr. Secretário de Cultura de Mogi das Cruzes, Prof. José Luiz Freire.




obs.: Baixe esse documento no Blog do M.A.L. em Downloads

À
SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA DE MOGI DAS CRUZES
A/C.: Secretário José Luiz Freire


Sugestões do Movimento Artístico Livre (MAL)

1 - Definição da linha de pensamento e atuação da Secretaria Municipal de Cultura: Visão 2012, Missão e Política.

2 - Inserção de Requisitos de Seleção para os Projetos do PROGRAMA CULTURA DE CANTO A CANTO

3 – Criação de três Programas sendo: “PROJETOS ESPECIAIS”, “PARCEIROS DA CULTURA” e “ESPAÇOS PARCEIROS.




__________________________________________________________

Secretaria Municipal de Cultura - (Sugestão)

Visão 2012
Ser referência em termos de gestão cultural na região do Alto Tietê, sendo reconhecida por comunidade, artistas e mídia local como tendo entre seus pilares de gestão a democracia, a transparência e a pluralidade cultural.

Missão
Oferecer à população de Mogi das Cruzes Arte e Cultura de qualidade e condizente com as necessidades e com a identidade cultural do município e de sua população. Apoiar os artistas e agentes culturais de maneira objetiva, moderna e eficiente.

Política
A Secretaria de Cultura de Mogi das Cruzes, em consonância com o Plano de Governo do Município, acredita que Arte e Cultura são direitos essenciais ao desenvolvimento sócio-educacional dos cidadãos.
Para garantir esse direito aos cidadãos mogianos, a Secretaria de Cultura de Mogi das Cruzes se compromete a:
- Realizar ações e projetos que garantam a democratização do acesso a arte e cultura;
- Buscar a descentralização geográfica de apresentações e exposições artístico-culturais de maneira a atingir todos os distritos da cidade;
- Estimular a produção de artistas e agentes culturais nascidos ou notadamente baseados em Mogi das Cruzes;
- Fomentar a produção plural de arte e cultura, estimulando a pesquisa de linguagens modernas e garantindo a preservação da identidade cultural do município;
- Gerir a arte e cultura municipais de maneira transparente e objetiva.




__________________________________________________________




Inserção de Requisitos de Seleção para os Projetos do PROGRAMA CULTURA DE CANTO A CANTO


PROGRAMA “CULTURA DE CANTO A CANTO”
Contempla os seguintes Projetos: Arte vai a Praça, Arte vai ao Bairro, Arte vai a Escola e Arte vai ao Parque.

Objetivos: Projetos que possam ser apreciados pelo maior número de pessoas, independente de níveis socioeconômicos, escolaridade, idade, sexo e nacionalidade, visando a formação de público, disseminação da informação artística e cultural, difusão, descentralização, democratização e acesso à Cultura.


ARTE VAI À ESCOLA

Visa proporcionar o acesso a espetáculos de teatro, circo, dança e música, exposições de artes visuais ou museológicas, no recinto das escolas municipais, indicadas para receber o Projeto. Circunstancialmente, o projeto poderá apresentar uma ou mais linguagens entrelaçadas, para atender objetivos específicos.
Acontecerá nos finais de semana, de maneira sistemática e regular, compondo agenda anual para atender o público alvo. Nessa divisão, estarão incluídas visitas aos museus e apresentações de espetáculos destinados ao público infantil, nos equipamentos da Secretaria de Cultura.

Requisitos de Seleção

- Documentação como: RG, CPF, INSS ou PIS/PASEP, CCM, comprovante de residência, comprovante de escolaridade;
- Análise de currículo para qualificação técnica do proponente e equipe participante;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Excelência: projetos que tenham qualidade artística reconhecida pela crítica especializada;
- Valorização da Cultura Brasileira;
- Abrangência: projetos que tenham grande alcance geográfico, direto ou indireto;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Compatibilidade à faixa etária do público alvo;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Compatibilidade técnica da apresentação com o espaço e recursos oferecidos.


ARTE VAI AO BAIRRO

Visa oferecer à população aprendizado e exercício da Arte, em suas mais variadas vertentes, através de oficinas, realizadas em espaços disponibilizados pelas comunidades interessadas (associações, entidades, igrejas, escolas, etc). As oficinas poderão acontecer tanto em dias de semana como nos finais de semana, de acordo com as necessidades das comunidades e da disponibilidade dos profissionais.

Requisitos de Seleção

- Documentação como: RG, CPF, INSS ou PIS/PASEP, CCM, Comprovante de residência, comprovante de escolaridade;
- Excelência: projetos que tenham qualidade artística reconhecida pela crítica especializada;
- Valorização da Cultura Brasileira;
- Sustentabilidade: projetos que, por meio de seu histórico ou estratégias, apresentem potencial de sustentação e continuidade após o término das oficinas;
- Análise de currículo para qualificação técnica do proponente e equipe participante;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Abrangência: projetos que tenham grande alcance geográfico, direto ou indireto;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Compatibilidade técnica da oficina com o espaço e recursos oferecidos;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Clareza e qualidade pedagógica das propostas apresentadas.


ARTE VAI À PRAÇA

Visa oferecer apresentações de teatro, circo, dança e música, bem como exposições de artes visuais, em praças do município, indicadas para receber o Projeto (sejam do centro ou dos bairros). Circunstancialmente, o projeto poderá apresentar uma ou mais linguagens entrelaçadas, para atender objetivos específicos. Acontecerá nos finais de semana, de maneira sistemática e regular, compondo agenda anual para atender o público alvo.
Paralelamente à apresentação de espetáculos artísticos, o projeto oferecerá a artistas e artesãos oportunidade para exposição e comercialização de seus produtos, através da implantação de Feiras de Artes e Artesanato, com o objetivo de difundir a produção artística e artesanal do Município e da região.

Requisitos de Seleção

- Documentação como: RG, CPF, INSS ou PIS/PASEP, CCM, Comprovante de residência, comprovante de escolaridade;
- Análise de currículo para qualificação técnica do proponente e equipe participante;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Excelência: projetos que tenham qualidade artística reconhecida pela crítica especializada;
- Valorização da Cultura Brasileira;
- Abrangência: projetos que tenham grande alcance geográfico, direto ou indireto;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Compatibilidade técnica da oficina com o espaço e recursos oferecidos.





ARTE VAI AO PARQUE

Visa oferecer aos usuários do Parque Centenário da Imigração Japonesa, nos finais de semana, apresentações de espetáculos de teatro, circo, dança e música, em espaço apropriado para tal. Paralelamente, acontecerão exposições temáticas, nos diversos equipamentos do Parque.

Requisitos de Seleção

- Documentação como: RG, CPF, INSS ou PIS/PASEP, CCM, Comprovante de residência, comprovante de escolaridade;
- Análise de currículo para qualificação técnica do proponente e equipe participante;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Excelência: projetos que tenham qualidade artística reconhecida pela crítica especializada;
- Valorização da Cultura Brasileira;
- Abrangência: projetos que tenham grande alcance geográfico, direto ou indireto;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Compatibilidade técnica da oficina com o espaço e recursos oferecidos.

__________________________________________________________

Criação de três programas sendo: "PROJETOS ESPECIAIS”, "PARCEIROS DA CULTURA” e “ESPAÇOS PARCEIROS.




PROGRAMA “PROJETOS ESPECIAS”

Contempla os demais projetos que não se encaixam no Programa “Arte de Canto a Canto”, solicitando espaços públicos e estrutura específica necessária como, por exemplo, cachê, estrutura física e técnica, divulgação etc, para cada projeto.
Segue as linhas de atuação deste Programa: Produção e Difusão Cultural; Preservação e Memória; Formação e Educação e Circulação e Acesso.


Objetivos:
* Estimular e dar suporte financeiro, de espaços físicos, de técnicos e divulgação à realização de Projetos de interesse público, desenvolvidos por profissionais de diversos segmentos artísticos;
* Abrir espaço para a criação, estimulando não só o fazer artístico, mas também a ampliação das oportunidades de circulação e de fruição dos bens culturais;
* Consolidar o trabalho de resgate, recuperação e organização do acervo material e imaterial da cultura brasileira, priorizando aqueles em situação de risco, e buscando ampliar a oportunidade de acesso público a esses acervos;
* Contribuir para a formação de públicos, talentos e técnicos para o setor, fomentando iniciativas educacionais no âmbito da produção cultural;
* Estimular a reflexão sobre a cultura e o pensamento brasileiros;
* Contribuir para uma melhoria do quadro geral da cultura nacional e para a afirmação da cultura como direito social básico do cidadão.

Requisitos de Seleção

- Documentação como: RG, CPF, INSS ou PIS/PASEP, CCM, Comprovante de residência, comprovante de escolaridade;
- Análise de currículo para qualificação técnica do proponente e equipe participante;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Excelência: projetos que tenham qualidade artística reconhecida pela crítica especializada;
- Valorização da Cultura Brasileira;
- Abrangência: projetos que tenham grande alcance geográfico, direto ou indireto;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Prestação de Contas;
- Contrapartida Social ao Município;
- Estratégia de ação com detalhamento das etapas de trabalho;
- Duração do Projeto;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Plano de distribuição dos produtos culturais, se houver;
- Plano de divulgação e comunicação;
- Compatibilidade técnica com os espaços e recursos solicitados.


PROGRAMA “ESPAÇOS PARCEIROS”

Contempla a parceria da Secretaria de Cultura com proprietários/gestores de espaços físicos alternativos, visando apresentação ou exposição de obras artísticas, bem como capacitações de artistas ou da comunidade vizinha (cursos, oficinas etc), de acordo com o conceito de descentralização da arte e cultura no município.
Seguem as linhas de atuação deste Programa: Produção e Difusão Artística e Cultural; Resgate e Preservação da Memória; Formação, Educação, Circulação e Acesso.

Objetivos
* Desenvolver e consolidar a produção artística e cultural nos bairros;
* Promover o resgate da identidade cultural da cidade e de suas distintas regiões;
* Estimular a pesquisa de linguagens artísticas de artistas ou grupos;
* Aumentar a disponibilidade de espaços de apresentação/exposição de obras artísticas;
* Fomentar a curiosidade da comunidade e o gosto pelas diversas modalidades artísticas existentes na cidade, com conseqüente formação de públicos regionais.

Participação

Participarão desse programa os gestores/espaços interessados que estiverem totalmente dentro dos requisitos administrativos e técnicos descritos nos “Requisitos de Credenciamento e Seleção”. Além dos requisitos citados serão levados em conta os seguintes critérios: distribuição geográfica dos espaços e o projeto cultural do espaço.
O processo de participação deverá seguir os seguintes passos:
1- Gestor do espaço se manifesta junto à Secretaria de Cultura;
2- Gestor preenche o formulário de credenciamento do espaço e entrega projeto relacionado;
3- Secretaria de Cultura analisa o projeto e a documentação;
4- Secretaria faz uma vistoria no local;
5- Secretaria credencia oficialmente o espaço;
6- Secretaria e Gestor programam as atividades culturais;
7- Atividades culturais acontecem;
8- Secretaria acompanha e audita o processo.

Contrapartida

De acordo com entendimento entre as partes, haverá a contrapartida por parte da Secretaria de Cultura Municipal.
Essa contrapartida poderá ser de caráter financeiro, como forma de apoio para manutenção do espaço, ou de alguma outra maneira que se concretize em benefício ao espaço em questão.

Requisitos de Credenciamento e Seleção
Requisitos técnicos:
- 01 banheiro masculino e 01 banheiro feminino;
- 01 espaço para apresentações com piso, paredes e cobertura adequados;
- Espaço adequado para acomodação do público;
- Equipamentos de som e luz adequados às intenções do projeto;
- Acomodações adequadas a portadores de necessidades especiais ou plano de ação relacionado;
- Outros equipamentos que se façam necessário aos projetos.

Requisitos administrativos:
- Documentação como: IPTU, Documento de constituição de entidade (associação, cooperativa etc), CNPJ, entre outros;
- Inovação: projetos criativos, originais ou inéditos;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Prestação de Contas;
- Estratégia de ação com detalhamento das etapas de trabalho;
- Duração do Projeto;
- Medidas preventivas que serão adotadas para evitar impacto ambiental negativo, caso evento seja ao ar livre;
- Plano de divulgação e comunicação.


PROGRAMA “PARCEIROS DA CULTURA”

Contempla a parceria entre poder público e associações, cooperativas, produtores, agentes e representantes dos segmentos artísticos ligados às diversas atividades culturais que busquem a capacitação de artistas e o fomento à discussão artística no município. Como exemplo, podemos citar cursos de capacitação, oficinas, debates e “mesas redondas” temáticas.

Objetivos:
* Desenvolver uma política cultural democrática e participativa;
* Buscar a melhoria contínua na gestão cultural da cidade;
* Atender da melhor a maneira a população mogiana no que se relaciona a arte e cultura de maneira plural
* Buscar a capacitação de artistas e agentes culturais que estejam envolvidos na execução de atividades artísticas e culturais na cidade.

Participação

Participarão desse programa as entidades ou produtores culturais que contarem com projetos alinhados à definição e aos objetivos descritos acima.

Requisitos de Participação

- Documentação como: Documento de constituição de entidade (associação, cooperativa etc), CNPJ, entre outros;
- Inovação: projetos objetivos e completos;
- Relação Custo-Benefício: projetos com potencial de maior resultado cultural pelo menor custo;
- Prestação de Contas;
- Estratégia de ação com detalhamento das etapas de trabalho;
- Duração do Projeto;
- Plano de divulgação e comunicação.



08/02/09

SER OU PERTENCER?

Texto publicado na Revista METAMORFOSE - Coluna Dialética por Mateus Sartori

Como todos sabem, em ano de eleição o Brasil pára, e nós artistas, assim como toda população do “país da impunidade e ignorância cultural”, ficamos apreensivos com os novos administradores que assumem as Prefeituras e Câmaras Municipais.

Apesar de sobrevivermos num país, que cada dia nos surpreende com “DANTAS” sujeiras aparentes, podemos também nos considerar privilegiados por viver num Brasil que tanto nos orgulha com sua “rica produção cultural” que, por vezes, tem sua arte mais valorizada no exterior.

O que necessitamos, são de governantes que estejam dispostos a uma mudança cultural agressiva e deixem de lado seus egos e conchavos políticos, para que o “SER” seja mais importante do que o “PERTENCER”.

Neste ponto, os artistas são evoluídos, pois “SOMOS” criadores e difusores de novas ideologias e expressões; “SOMOS” agentes culturais e formadores de opinião, e devido a essas características, onde a pessoa é menos importante que a obra, passamos a “PERTENCER” a um grupo responsável pelo enriquecimento e direcionamento cultural.

Mas muitas vezes, nós artistas, também “SOMOS” vistos como personagens marginalizados do sistema e não recebemos o devido tratamento que merecemos.

Talvez esse tratamento venha de culturas passadas onde intelectuais eram presos, queimados e enforcados ou seja por causa de nossas atitudes como a falta de organização e mobilização da classe artística, que confesso existir.

Então, antes de cobrarmos e elegermos nossos políticos, que tratam a “CULTURA” como a “cereja do bolo”, é extremamente fundamental que a classe artística se organize, traçando metas, objetivos e necessidades, promovendo assim a reflexão e a discussão sobre “CULTURA E ARTE” em todo seu meio. Isso nos mostrará o que já foi alcançado, o que está sendo executado e o que poderá ser acrescentado para que exista uma democratização cultural.

Com isso, teremos força para cobrar de nossos dirigentes, que a “CULTURA” em todas suas vertentes, seja inserida como uma das prioridades de seus planos de governo.

Acredito que após todas essas atitudes tomadas por artistas e poder público, a palavra “CULTURA” estará presente nas cobranças feitas pela população, assim como segurança, saúde e saneamento, e o indivíduo, ou grupo que fizer parte desse crescimento intelectual, não “SERÁ” apenas lembrado, mas “PENTENCERÁ” a história da evolução cultural.

Afinal, a “CULTURA” é para o povo, o que a “ALMA” é para a vida. ESSENCIAL!!!!